domingo, 29 de dezembro de 2013

Alquimia Espiritual

Que ventos os trazem à minha humilde morada? Que motivos, questionamentos ou certezas têm para mim? Por favor, não me respondam, mas a vocês próprios. Permitam-se responder suas perguntas sem seus anseios, preconceitos e crenças, livrem-se de tudo que vos caracteriza e tornem-se puros como os vossos filhos que acabam de chegar a este mundo. Difícil? Talvez, mas somente assim, em similar estado de espírito, conseguirão atravessar as portas que lhes mostrei em nossa conversa passada. Lhes mostrei ferramentas, vocês souberam usá-las?

Certa vez um amigo me abordou com a seguinte exclamação: "Não consigo imaginar uma pessoa dizendo 'vou ali fazer magia' como se fosse uma coisa simples e natural,  pra mim isso é completamente estranho". Ele não poderia estar mais certo e ao mesmo tempo mais errado, vocês conseguem entender por quê? Lhes deixarei encontrar a resposta para isso em minhas palavras e seus pensamentos.

A verdade é que estamos todos vestidos com uma roupa mental e espiritual que nos impede de ver adiante, que nos impede de ver a nós mesmos e que, principalmente, nos impede de enxergar nossos atos. O fato de existirem praticantes da mão esquerda, bem sucedidos em suas operações, devo acrescentar, não serve de exemplo a vós como algo positivo, mas como algo negativo, eles não alcançaram a Grande Obra, a Pedra Filosofal, o Elixir da Vida Eterna!

Estes termos lhes são estranhos? Pois me acompanhem em uma pequena jornada pelo que posso lhes oferecer a respeito. Todos nascemos puros e limpos de toda e qualquer influência externa, como disse antes, mas com o passar do tempo vamos adquirindo conhecimento e aquilo que era apenas uma pequena gama de materiais puros torna-se uma pedra bruta, mas através de atos e conhecimentos adquiridos a partir do convívio e/ou estudos conseguimos nos lapidar de tal maneira que podemos nos tornar algo mais do que simples pedras no mundo, mas belas gemas que brilham ao sol e nosso brilho ilumina a vida de outras pessoas, permitindo-as sonhar e seguir adiante, usando nosso brilho como lanterna pelos corredores escuros da vida.

Mas, como falei anteriormente, o conhecimento externo não é nada sem o conhecimento interno, centenas de livros são inúteis sem a prática e o conhecimento acumulado por toda humanidade também o é quando não conhecemos a nós mesmos, pois, como certa vez uma sábia pessoa disse "conhece a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo". Parece fantasioso para uma mente com certos bloqueios do cotidiano, mas é perfeitamente compreensível para aqueles que viveram e experienciaram pelo menos um pouco do que digo. Livros são necessários? Bom, para muitos de nós, que somos obrigados desde a infância a acreditar que todo conhecimento vem de fora, sim, mas aqueles que aprenderam a compreender os sinais da vida e do universo, não somente da natureza, mas de nós mesmos, estão muito bem encaminhado em seus laboratórios particulares de alquimia.

Um homem com uma arma pode ser apenas um fanfarrão; um homem que sabe usar uma arma e porta uma pode ser um matador; algum destes homens, porém, alguma vez se questionaram a respeito do por que usar armas? Uma pessoa que sabe falar é mais uma vida na Terra; uma pessoa que sabe usar as palavras pode ser tido como inteligente ou esperto, talvez sábio; mas algum deles tem o hábito de procurar o significado de cada palavra que sabem? Alguma dessas pessoas, e muitas outras com diversos tipos de conhecimentos, estão aplicando seus saberes de forma construtiva no mundo? Quando foi a última vez que vocês ajudaram a seu próximo? Ou que construíram coisas em prol de outros? Ou que ajudaram a edificar o ânimo daqueles que estavam se sentindo mal à sua volta? Quanto custa destruir? Quanto custa construir ou edificar?

O planeta gira e ao redor deste, nossos atos, visíveis e invisíveis, estes segundos são os que nos perseguem, quanto mais disparamos contra outros, mais temos chance de algum dia sermos atingidos pela bala que atiramos, por mais que ela não saia da nossa arma; em contrapartida, quanto mais ajudamos, mais temos a chance de sermos ajudados, mesmo que não seja pela mesma mão que recebeu a ajuda. Essa é a lei da vida, também conhecida como Karma. Em que você está aplicando seu conhecimento? O sentido da vida pode não ser o mesmo para todos, mas esta é a mesma para todos que a compartilham. Há aqueles que conseguem se manter pouco acima de sua área de efeito, mas por quanto tempo, apenas a vida dirá.  Aqueles que se utilizam de um conhecimento que pode ser usado tanto para o bem, quanto para o mal, estão correndo dois riscos: o de serem parados pelo próprio ato no futuro, ou o de serem empurrados para frente; uns se tornarão brutos, outros, mais lapidados.

O conhecimento de si, do universo e a forma de atuar neste meio são os verdadeiros ingredientes para a alquimia espiritual, nossas ações são os ingredientes adicionais e através da mistura de todo esse conteúdo no grande caldeirão da vida, queimando com o fogo das provações, teremos a misteriosa Pedra Filosofal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário